O trapézio é o músculo provavelmente mais atacado por pontos gatilhos miofasciais. Ele pode ser a origem muitas vezes da cefaleia temporal (região lateral da cabeça) e cervicogênica (cefaleias de origem cervical). A trapezalgia, ou dores na região do músculo trapézio, consiste no aumento da tensão muscular do musculo trapézio, inflamação da musculatura de origem interescapular e pode estar associado a outras musculaturas próximas da sua região como por exemplo os músculos do manguito rotador.

Como se divide o trapézio

O trapézio é dividido em 3 partes, o local afetado impacta diretamente nas dores sentidas pelos pacientes:

Superior

Mantém os ombros contra a gravidade ou resistência.  Pontos gatilhos nesta região podem gerar dores na lateral da cabeça, “as cefaleias de tensão”

Média

Retraem as escápulas. Podem ocorrer dores inter escapulares até impressão de intolerância à um casaco pesado ou bolsa pesada.

Inferior

Abaixam os ombros. Estas fibras se tencionam quando nos inclinamos para frente ao sentar. Pontos gatilhos nesta região podem gerar dores na região dorsal e do pescoço.

O trapézio é um dos músculos responsáveis por fazer a lateralização do seu pescoço e/ou elevar os seus ombros.

Quando sentimos dores no trapézio

Podemos perceber sua ação em alguns momentos do dia-a-dia de várias profissões e ocupações como por exemplo:

  • Ao digitar no teclado quando ficamos em uma postura tensa sem o apoio firme das costas ou com o teclado elevado, ao invés de estar em uma postura bem equilibrada e apoiada.
  • Nos esportes, em nadadores de competição com ombro doloroso, utilizam muito esta musculatura na fase.
  • Dirigindo, a parte superior fica mais ativa do que a média e inferior, durante o trânsito e viagens prolongadas.
  • Ao realizar atividades de limpeza doméstica, onde há necessidade de ficar longos períodos limpando prateleiras altas ou regiões altas.
  • Atividades de manutenção como lixar e pintar o teto de casas ou estabelecimentos.
  • Atividades que exijam a elevação e permanência dos braços elevados por longos períodos.
  • Professores que passam várias horas escrevendo em lousas.
  • Dentistas, médicos e profissionais da área da saúde que ficam muito tempo em executando atividades manuais como cirurgias, curativos e terapias manuais.

O incômodo na região dos ombros (trapézio superior), pode ocorrer pelo excesso de uso e sobrecarga da musculatura, desequilíbrios viscerais, inervação debilitada por compressões do disco intervertebral e compressão dos nervos espinais, com ou sem fatores psicossomáticos e alimentares associados.

Exame

Durante o exame, precisamos verificar o início da queixa da dor, realizar testes de força muscular. Quando apenas o trapézio está envolvido, não há muitas limitações na rotação da cabeça. o movimento mais restrito é a flexão lateral da cabeça e do pescoço. Esta inclinação passiva pode estar reduzida a 45º ou menos.

Desigualdade de comprimento do músculo

A palpação deste músculo por profissionais treinados onde pode haver a presença de dores referidas é muito utilizado como referência para saber se há problemas nesta musculatura.

Diagnóstico de dores no trapézio pode ser errôneo

A dor referida para a cabeça é comum e muitas vezes erroneamente diagnosticada como cefaleia por tensão. outras dores originadas por pontos gatilhos no músculo trapézio superior e esplênio da cabeça que podem ser confusamente simuladas são: 

  • Neuralgia occipital
  • Cefaleia cervicogênica
  • Dor benigna crônica do pescoço e/ou das costas

 A dor no ombro provocada por pontos gatilhos no trapézio inferior pode ainda ser confundida com bursite.

A tensão no trapézio pode ter causas psicossomáticas

Psicossomaticamente pode ter relações de conflito biológico com interesses territoriais, quando a pessoa entra em confronto constantemente com alguém, atacando ou sentindo-se agredida.

Como por exemplo, muitos animais tem o instinto de atacar a região do pescoço ao caçar, e por consequência, também foi desenvolvido o instinto primitivo de proteger esta região ao elevarmos os ombros. Ou seja toda vez que sentimos que estamos sendo agredidos moralmente ou fisicamente, pode ocorrer uma tensão desta musculatura na tentativa de proteger o seu pescoço.

Além disto, pessoas com dores musculares podem estar passando por algum problema de desvalorização moral ou física no seu dia a dia.

A tensão no trapézio pode ter causas viscerais

O fígado tem uma relação muito próxima com o diafragma através do ligamento falciforme que ligam eles. Que por sua vez o diafragma é inervado pelo nervo frênico, que nasce do segmento de C3-C4.

Da região de C2-C3 saem os nervos responsáveis pela sensação de dor e propriocepção do trapézio. Logo, é preciso liberar as tensões musculares e de mobilidade na região do diafragma, juntamente com a manipulação ou liberação muscular e articular nas regiões vertebrais correspondentes.

O tratamento para dores no trapézio

O tratamento das dores no trapézio dependerá de uma boa avaliação e atuação nas causas principais conforme citadas acima. Que podem incluir desde o uso de várias técnicas de liberação miofascial para corrigir as disfunções restritivas mecânicas, manipulações das vértebras correspondentes, elementos de reeducação muscular, liberações de restrições viscerais ou até alguma abordagem e/ou encaminhamento para tratar as relações psicossomáticas que podem estar acontecendo na vida do paciente. Estas abordagens combinadas são mais eficazes do que uma ou outra sozinha.

 A osteopatia é uma ótima possibilidade de tratamento para este tipo de dores e incômodos que as pessoas sentem. Porque possui uma abordagem holística, relacionando o corpo como um todo e atuando nas causas do problema.